Mini Review – Ubuntu 6.06 LTS “Dapper Drake”

Após cerca de quase 2 meses usando o Ubuntu 6.06 LTS, vou colocar aqui algumas impressões que tive durante esse tempo.

Eu comecei a mexer com Linux no final de 2001, quando comprei uma revista que vinha com o Red Hat 7.1. Fiz backup e instalei em dual boot num Duron 850 MHz com 128 de RAM. Nem precisa dizer que ficou uma carroça, além de não conseguir compilar o kernel. Após algumas idas e vindas entre debian, conectiva e red hat, em 2003 passei para o Slackware e fiquei com ele até junho do ano atual (2006). O que mais gostava do Slack era a boa oferta de software na distribuição oficial e bom suporte a win modems. Em junho instalei o Breezy e pouco antes de instalar a banda larga instalei o Dapper, dessa vez num Duron 1.6GHz com 700 MB de memória.

Pontos positivos
Instalação: A instalação foi tranquila e direta, com a maior parte das coisas funcionando “out-of-the-box”

Internet: Bastou configurar com o ‘pppoe-config’ e ligar com ‘pon’. Enquanto no windows demorei quase 10 minutos.

Gerenciamento de pacotes: Uma das (boas) surpresas foi o apt-get (via synaptic) que funciona muito bem, apesar de ficar um pouco lento quando carrega a lista de pacotes (main+universe+multiverse+alguma coisa).

Gravação de CD: Ontem quando fui gravar o cd de áudio o cd virgem foi detectado e o Serpentine funcionou muito bem. Um item que achei muito bom foi o fato do desenho do disco ser “fatiado” de acordo com a duração das faixas.

Quantidade de aplicativos: Excelente “catálogo”. Para a maioria dos usuários praticamente todos os softwares necessários estão nos repositórios.

Pontos negativos

Visual: Dessa vez bateram recorde. Os ícones (Porque não usam o tango?), as cores (mortas), o papel de parede (sem comentários). Ok, isso é questão de gosto…

Performance: Mesmo com 700MB achei um pouco lento, principalmente usando o Firefox e o OpenOffice.org ao mesmo tempo. Até o próprio GEdit (editor de texto) demora um pouco para iniciar.

Mp3 e cia.: Complicação para instalar, principalmente no caso dos plugins para wma, wmv, etc.

Necessidade de banda larga: Baixar os pacotes (ou atualizações) pela discada, nem pensar.

Conclusões: Nota 9. Um dos melhores sistemas que já testei, com algums pequenos problemas que podem ser corrigidos com algum esforço.

PS: Não foi um review “científico”, mas apenas opiniões pessoais de um recém-“ubuntero”.


  1. O grande problema de usar distribuições que visam o desktop, como o UBUNTU é que ele fica extremamente pesado pela quantidade excessivas de módulos que ele carrega (por exemplo, quando experimentei por um tempo o Fedora Core notei que além de carregar os módulos usáveis, ele carregava também o sistema para wi-fi – mesmo sem a placa instalada -, servidor dhcp – tsc tsc, tava com maquina local = enfim, um montão dessas coisas…

    Já pensou em desligar a maioria? Acho que você ganharia um bocado em performace!🙂


Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s